cuidado

cuidado
Dicas de prevenção contra o coronavírus

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Orkut, que conquistou os brasileiros, sai do ar definitivamente nesta terça

O Google puxa nessa terça feira o plugue que mantém vivo o Orkut. Antes uma grande e saudável rede social, há anos o site vive em estado vegetativo, alimentando-se de raras visitas e boas doses de nostalgia. Alguns internautas chegaram a levantar a voz a favor do site, mas a petição criada na rede como último recurso para dar sobrevida a ele não conseguiu nem mesmo cumprir a cota de 100 mil assinaturas — em outros tempos, a comunidade virtual esbanjava 40 milhões de membros somente no Brasil.
“Foram 10 anos inesquecíveis. Pedimos desculpas para aqueles de vocês que ainda utilizam o Orkut regularmente. Esperamos que encontrem comunidades on-line para alimentar novas conversas e construir ainda mais conexões na próxima década e muito além”, lamenta, em nota publicada no blog do Orkut, Paulo Golgher, diretor de Engenharia do Google. Desde que o fim foi anunciado, em junho, o que já foi o clube mais amigável da internet não aceita novos membros. A gigante da internet vai se dedicar integralmente aos filhos mais promissores, como YouTube, Blogger e Google+.
Um arquivo com todas as comunidades públicas ficará disponível para visitas a partir desta semana, mas, depois de quarta-feira, será impossível editar o conteúdo da rede social. Quem não quer ver seus antigos posts eternizados nesse memorial virtual tem amanhã a última oportunidade de excluir seu perfil da rede de uma vez por todas. Essa também é a chance final para o internauta ler seus scraps, emocionar-se com os depoimentos postados na sua página ou até mesmo fazer uma cópia desse conteúdo para o arquivo pessoal.


O Orkut foi criado há pouco mais de 10 anos pelo engenheiro de software turco Orkut Büyükkökten quando ele trabalhava no Google. O site de relacionamento passou quase que despercebido por grande parte do mundo, onde o MySpace ainda era unanimidade. No Brasil e na Índia, no entanto, a página do círculo cor-de-rosa virou febre. A banda larga ainda começava a se popularizar por aqui e lan houses faturavam com internautas interessados em selecionar fotos para postar (o álbum só aceitava 12 imagens), fazer amigos e, claro, escrever depoimentos sobre aqueles mais queridos. 
por CABO BRITO

Nenhum comentário:

Postar um comentário